Como Organizar os Investimentos com o Kinvo

Como Organizar os Investimentos com o Kinvo

Quando iniciamos nossa vida de investidor, um dos maiores problemas é conseguir centralizar todas as informações dos nossos investimentos em um só lugar.

Afinal muitas vezes possuímos contas em diversas corretoras de valores, para poder claro, aproveitar o melhor de cada uma.

Nós por exemplo, hoje, possuímos conta e utilizamos 5 corretoras de valores diferentes, cada uma acaba possuímos um motivo em específico.

Consolidando os Investimentos com o Kinvo

Para quem não conhece, o Kinvo é um aplicativo, mas também funciona na web, que faz exatamente isso que necessitamos, centralizar  todos os nossos investimentos em um só lugar, tornando assim nossos Investimentos Organizados.

Imagina você ter sempre que atualizar uma planilha para isso? Ter que sempre entrar na conta de todas as corretoras para pegar os dados e lançar eles manualmente?

Isso torna esse processo lento e complexo, já com o Kinvo, tudo torna mais simples devido a integração que ele possuí com o CEI e o Tesouro Direto.

Então se você possui investimentos em Ações, Fundo Imobiliários, ETF ou Tesouro Direto, conseguirá importar de forma simples para o sistema.

Produtos de Renda Fixa

Dentro da Renda Fixa, sabemos que existe um mundo de produtos e nem todos poderão ser importados de forma simples para o Kinvo.

Quando você investe em um CDB, precisará importar de forma manual, porém pela facilidade de uso do aplicativo em questão, esse processo é simples e rápido, você não precisará ficar atualizando ele sempre, afinal o investimento em um CDB costuma ser individual.

Fundos de Investimentos

Assim como alguns produtos de Renda Fixa, os Fundos de Investimentos também precisam ser lançados de forma manual, pois não existe um sistema que seja possível a importação para dentro do aplicativo.

Porém o Kinvo possui um banco de dados gigante permitindo que você identifique exatamente qual o fundo que você detêm investimentos, em qual corretora, quais as condições que você investiu e a partir daquele momento, ele atualizará de forma automática seus investimentos.

Contas Correntes e Outros Investimentos

Para valores que você possui investido em conta corrente como o Cofre do NuBank, ou alguma conta que tenha rentabilidade sem necessidade de um investimento direto, você precisará lançar de forma manual o investimento, porém é simplificado também.

Já investimentos em Criptomoedas, Debêntures, Previdência e outros produtos personalizados entram na mesma situação.

Uma Ferramenta para Organizar os Investimentos

Por tudo isso, aconselho a utilização do Kinvo para Organizar os Investimentos, claro que não possui apenas ela no mercado, hoje existem diversas outras sendo o TradeMap a maior concorrente.

O mais interessante do Kinvo é que você conseguirá ter muitas funcionalidades na sua versão gratuita, não precisando assim pagar uma ferramenta para isso.

Gravei também um vídeo explicando como é o funcionamento da ferramenta e mostrando na prática para vocês.

Finanças Pessoais – Qual a Importância na sua Vida?

Finanças Pessoais – Qual a Importância na sua Vida?

Nesse post vamos falar como importante entender as Finanças Pessoais e como elas impactam no seu bem estar.  Além disso, discutir sobre quais pontos que você deve dar atenção para manter o padrão de vida e melhorar os Investimentos.

Contexto atual

A cada dia que passa recebemos mais informações sobre pessoas bem sucedidas e também de outras que estão no fundo do poço, normalmente o que diferencia esses dois opostos é a importância que cada um deu a suas finanças e ao planejamento financeiro pessoal.

Muito disso acontece, pela forma como as pessoas lidam com esse assunto. Percebo que muitas pessoas evitam o assunto, como se aquilo ainda fosse um tabu. 

Mas vivemos em um momento que a economia cada vez mais tem trilhado um caminho onde não é tão fácil multiplicar seu dinheiro como antes. Na época dos nossos pais era só deixar o dinheiro aplicado na conhecida poupança – a queridinha dos desinformados –  e tudo iria ficar bem.

Momentos da Vida

Quando falamos sobre Finanças Pessoais, percebemos uma relação direta mas também inversamente proporcional entre o Tempo e o Dinheiro.

Essa relação acontece principalmente pois temos 3 momentos durante nossa vida:

O primeiro momento é quando você inicia sua vida profissional, buscando se aperfeiçoar enquanto ganha pouco.

Evoluímos para o segundo momento, onde sua renda chega ao ápice

E o terceiro, onde seu nível de receita começa a decair com a aposentadoria.

E é no terceiro momento que entram dois pontos muito importantes e muitas vezes negligenciado no Planejamento Financeiro Pessoal, o momento da Aposentadoria e a Expectativa de Vida.

O erro mais clássico é se basear em uma expectativa de vida pessimista, afinal, você não quer que seu dinheiro acabe enquanto você ainda está por aqui aproveitando esse mundão incrível, não é?

Pontos importantes

Pontos de grande importância a serem trabalhados para que o pior não aconteça são:

  • Seu nível de Despesas (afinal você terá despesas sua vida inteira, sendo uma carga cada vez maior conforme os anos passam);
  • Qual o Padrão de Vida que irá adotar durante sua vida;
  • E a sua capacidade de Poupar antes do momento da sua “Aposentadoria”.

Coração das Finanças Pessoais é o Investimento

Todos sabemos que guardar/poupar todo mês é um hábito extremamente positivo e que todos deveriam ter, afinal isso que irá te permitir realizar seus sonhos.

Mas não só isso, como aumentar seu patrimônio, seja bens móveis, imóveis ou a conta no banco, além claro de manter o seu Padrão de Vida.

Porém é o investimento que irá te permitir multiplicar esses valores ao longo dos anos. Não há nada mais interessante nas finanças quando o Juros Compostos trabalha a nosso favor, não é mesmo?

Algo que anteriormente era muito mais simples e descomplicado, afinal quando olhamos o histórico da Taxa de Juros do Brasil vemos que:

Em 1995 (início do Plano Real) possuíamos uma taxa de Juros de 53% ao ano reduzindo com o passar dos anos, até reduzir de dois para um digito em Julho de 2017, quando alcançou o patamar de 9,25%.

De lá para cá o famoso termo de “rendimento de 1% ao mês” tem sido excluído do vocabulário do investidor.

A importância de exposição aos indicadores

Hoje, com uma Taxa de Juros (SELIC) em 2,25%, atingir esse rendimento é impossível na Renda Fixa, onde existe uma alta exposição a indicadores como o CDI ou a Taxa SELIC.

Quem já escutou alguém falar que tem uma carteira diversificada e quando viu os produtos, vimos que possui basicamente CDB indexado ao CDI, LC indexado ao CDI, Fundos indexado ao CDI.

Isso na verdade não é diversificação, isso é a pulverização, você está distribuindo seu dinheiro em diversos produtos, mas que estão ligados ao mesmo índice, a taxa de Juros (CDI).

Com isso, percebemos que se o investidor desejar obter uma rentabilidade melhor dos seus investimentos, terá que se expor a investimentos com um maior risco.

Portanto, é importante ter um Planejamento Financeiro Pessoal e o apoio de um Educador Financeiro.

Lembrando que para cada objetivo na sua vida terá um produto financeiro recomendado, objetivos de curto prazo com investimentos com alta liquidez, assim como objetivos de longo prazo existem produtos para tal.

Finanças pessoais

Com isso percebemos três grandes tópicos de uma importância na sua Finanças Pessoais.

A diversificação para obter uma rentabilidade maior e também uma gestão de riscos, assim como a capacidade de investimentos para Longo Prazo, utilizando o Juros Compostos ao nosso favor.

Finalmente chegamos ao ponto da desconstrução do CDI, investimentos indexados ao índice cada vez mais terão uma menor aceitação se o país mantiver uma taxa de juros reduzida pelos próximos anos.