Projeto Descobrindo Bombinhas e Pesca Artesanal da Tainha

Projeto Descobrindo Bombinhas e Pesca Artesanal da Tainha

Participamos de dois programas que são desenvolvidos pela prefeitura de Bombinhas, o da Pesca Artesanal da Tainha e o Descobrindo Bombinhas.

E ambos foram bem importantes para conhecer mais a região e ajudar na preservação em quanto estamos na cidade.

A iniciativa

Soubemos dos dois programas através das redes sociais da prefeitura de Bombinhas, e alguns dos objetivos deles são:

  • Treinar todos aqueles interessados e principalmente quem trabalha com o Turismo da região, para prestar informações de qualidade para o turista;
  • Conscientizar a população sobre a preservação do ambiente marinho;
  • Conscientizar moradores e turistas do que é permitido nas praias e parques da cidade.

Qualquer pessoa pode se inscrever e a participar, basta ficar atento ao período de inscrição e os dias das aulas

As aulas teóricas

As aulas teóricas são ministradas de forma online, devido a pandemia. A da pesca da Tainha acontece em uma manhã. Já o descobrindo Bombinhas acontece em um dia inteiro.

Eles procuram passar todas as informações pertinentes sobre a região, desde a sua colonização e fundação da cidade, cultura, festas típicas, pontos turísticos e curiosidades.

Dessa forma, conseguimos entender de onde vem muitos dos costumes e práticas que encontramos nessa região.

As aulas práticas

Para a parte prática, da pesca da Tainha, acontece um encontro presencial onde a turma tem oportunidade de ver os ranchos de pesca e conversar com os pescadores.

Já para o programa descobrindo Bombinhas acontece uma visita guiada aos principais pontos turísticos, onde podemos escutar várias histórias sobre a cidade.

Pesca da Tainha

Nesse programa aprendemos mais sobre a cultura da pesca artesanal e sobre seus principais componentes como:

  • O vigia
  • Os pescadores
  • O barco de um pau só

Cada um deles componentes importantes fazem parte desse patrimônio cultural de Bombinhas.

Em geral a pesca é um pouco diferente do que imaginamos, após o vigia ver o cardume de tainha e ele informa os pescadores, que vão pegar o barco.

Assim inicia-se um processo para ir soltando a rede cercando o cardume. Uma parte fica em terra e a outra no mar, até que conseguiam retornar a praia novamente.

Feito o cerco os pescadores começam a puxar a rede, e é nessa hora que o turista pode participar, pois é um trabalho pesado e devagar, porém depois de uns 15 a 20 minutos é possível já ter puxado toda a rede e aproveitar a pesca.

O mais legal é que os outros animais marinhos que não tem a ver com a pesca, como tartarugas e caranguejos são devolvidos para o mar pelos pescadores.

Foi uma manhã entendendo a história da pesca e como ela é importante até hoje para várias cidades da costa.

Parte desse programa também haveriam uma visita a um rancho de pesca, mas infelizmente devido a outros compromissos não conseguimos participar, mas tivemos a sorte de consegui presenciar a pesca em duas ocasiões que fomos a praia.

Então confere o vídeo que fizemos da pesca da Tainha em Bombinhas.

Descobrindo Bombinhas

No dia seguinte a aula teórica, tivemos a visita prática, para ver de perto tudo o que Bombinhas tem a oferecer como região turística.

Foi uma tarde inteira a bordo do trenzinho da alegria, percorrendo vários pontos de Bombinhas.

Roteiro

Praia de Bombas: recebemos informações sobre a pesca da tainha e podemos ver de perto os barcos que são utilizados durante o período de pesca. Conhecemos mais curiosidades sobre os ranchos de pesca, sobre a praia de Bombas, Ribeiro e Bombinhas.

Capela Nossa Senhora Imaculada Conceição: Curiosamente ela não pertence a Igreja Católica. Pois após ser destruída 3 vezes por raios, ela precisou ser reconstruída e na ultima reconstrução ela foi reerguida pela iniciativa privada. Então lá não acontecem missas, apenas alguns casamentos e outros eventos.

Casa de Cultura Dona Tila: Este é o único prédio de Bombinhas Tombado como patrimônio. E nele fica a sede da fundação de cultura. Lá vimos mais de perto artigos que são utilizados nas festas e parte da cultura da Região. Lá acontecem também oficinas de Pintura, dança, violão, canto, etc.

Praia de Quatro Ilhas: Além de receber mais informações sobre a praia, conseguimos ver as 4 ilhas que são a Galé, Deserta, Calhau de São Pedro, Arvoredo.

Essa praia é premida com a Bandeira Azul. Então recebemos mais informações do que se trata o programa.

Bandeira Azul

Bombinhas está situada na região turística da Costa verde e Mar, nessa região apenas 7 praias tem essa premiação internacional e 3 delas estão em Bombinhas que são as praias de: 4 ilhas, Mariscal e Conceição.

Essa premiação tem 34 critérios a serem obedecidos para que a bandeira azul seja hasteada na praia e para isso a prefeitura está sempre fazendo esse trabalho de conscientização do turista e dos moradores de Bombinhas.

Nas praias existem monitores que fazem a fiscalização para que a certificação da Bandeira Azul, seja cumprida por todos.

Algumas atividades são proibidas nessas praias como:

  • Levar domésticos nas praias;
  • Levar caixas de Som;
  • Poluir a praia;
  • Reservar de espaço na areia.

Qual o benefício da certificação Bandeira Azul?

O principal benefício trazido pela certificação é que a região é divulgada de forma internacional, atraindo mais turistas.

Para a cidade o grande beneficio é que todos precisam se esforçar para manter a preservação dos ambientes marinhos e para isso inclui, iniciativa privada e pública, moradores e turistas. Então a fiscalização nas praias é uma constante.

Outros pontos Turísticos

Passamos por vários outros pontos Turísticos como: Mirante de Mariscal, praia de Mariscal, praia do Canto Grande, Praia da Conceição, Entrada para o Mirante 360° e Praia da Tainha, praia de Morrinhos.

Morro do Macaco: recebemos informações sobre as duas trilhas que saem dali.

Zimbros: aprendemos mais sobre as curiosidades do bairro e também vimos vários barcos de pesca.

Engenho do Mimino: lugar onde fica um engenho de mandioca original açoriano.

Foi uma tarde muito instrutiva e muito divertida conhecendo Bombinhas, através dos olhos de quem estuda e mora na região. Meus sinceros agradecimentos ao Luiz e a Kelli, que nos guiaram e conduziram tanto na aula online quanto na tarde prática.

Então essa foi a experiência de participar desses dois programas, que auxiliam a divulgar cada vez mais a região e mais do que isso, mantê-la preservada.

E na sua região existem iniciativas assim? Me conta nos comentários

Conhecendo o Jardim Botânico em Curitiba

Conhecendo o Jardim Botânico em Curitiba

O jardim Botânico de Curitiba é nosso passeio imperdível de hoje.

Esse passeio é imperdível mesmo para quem não curte muito visita a pontos turísticos.

Relaxar

A atmosfera no lugar faz você querer relaxar e apenas contemplar as plantas e animais. Então me acompanha nesse passeio tranquilo e gostoso.

O que é?

Jardim Botânico Francisca Richbieter também conhecido como Jardim Botânico de Curitiba.

Endereço?

R. Engo. Ostoja Roguski – Jardim Botânico, Curitiba – PR, 80210-390

Horário de Atendimento

Todos os dias das 06h às 18h – horários sujeitos a alterações devido aos decretos da Pandemia.

No dia que fomos tanto a estufa quanto o jardim das sensações estavam fechados 🙁

Precisa de agendamento?

Somente para o Jardim das Sensações.

Como é a experiência?

Na mudança para Bombinhas resolvemos passar duas semanas em São José dos Pinhais e Curitiba tá bem ali do lado, então apesar de já conhecer o Jardim, queríamos revisitar esse lugar que sempre nos convida a relaxar.

Fomos no fim de maio, então o clima está bem frio. Nessa época do ano melhor ir um pouco mais agasalhado.

A entrada no Jardim é gratuita, assim como também o estacionamento. O estacionamento existem várias vagas, mas em dias mais movimentados você tem certa dificuldade em encontrar alguma disponível.

Mapa

Logo na entrada você tem o mapa do Jardim, que é possível ver toda a extensão do parque.

Infelizmente fomos com um pouco de pressa, tínhamos menos de hora para explorar o jardim, então procuramos fazer o máximo que deu, mas acho que é um lugar que dá para passar uma tarde inteira.

No Jardim existe também um centro de informações turísticas.

Caminho Principal

Para quem quer ver a estufa basta seguir a trilha principal. No caminho você já se depara com várias flores, plantas e aves, que torna a caminhada até o cartão postal ainda mais empolgante.

Infelizmente no dia que fomos a estufa estava fechada devido ao decreto da pandemia, então apenas conseguimos fotografar por fora.

Avisos estufa

Mas o jardim das 4 estações estava aberto e da ultima vez que nós fomos ele não estava. Então aproveitamos para conhecer algo novo no jardim.

Quatro estações

Lá encontramos representadas as 4 estações em forma de jardim. Um passeio bem gostoso, mas estava obrigatório manter a máscara.

Pegando a direita do jardim das 4 estações, encontramos o jardim de mel.

Além dessas atividades, é possível fazer caminhadas ou apenas contemplar os espaços que são muito bem cuidados. Pena que não conseguimos passar tanto tempo quanto gostaríamos, mas o tempo que passamos foi o suficiente para aproveitar.

O que pode melhorar?

O que pode melhorar é a questão do estacionamento que poderia ter mais vagas, ainda mais que é um ponto turístico muito visitado por todos turistas e também curitibanos.

Quanto ao foco principal que são os jardins: Todos são extremamente bem cuidados, então não há o que melhorar, apenas manter o que já existe.

Conclusão: a minha opinião

Esse é um passeio imperdível para mim, pois além de ser gratuito, o lugar é lindíssimo e vale a pena reservar algumas horas da sua viagem para ele.

É um passeio que vale a pena fazer, mesmo que você já tenha feito alguma vez. Sempre há coisas novas acontecendo.

Até mesmo porque dependendo da época do ano o cenário vai estar complemente diferente.

Além de um ponto turístico para os visitantes, os locais também aproveitam para caminhar e estar em contato com a natureza.

Jardim Botânico Curitiba

Recomendo muito esse passeio em Curitiba.

E você já conhece o Jardim Botânico de Curitiba? Me conta a sua experiência e se não conhece quando pretende fazer uma visita?